Skip navigation

Vivam!🙂

Neste post, proponho que vejam com atenção o pequeno filme que se segue e depois realizem a seguinte actividade.

A partir das imagens e dos seus pormenores e tendo em conta a obra Sexta-feira ou a Vida Selvagem que estamos a estudar, em trabalho de pares, imaginem e escrevam o diálogo entre as duas personagens presentes.

Os diálogos devem ser colocados aqui, em comentário a este post, e com a respectiva identificação dos autores.

Venha daí essa criatividade!😉

17 Comments

    • João Filipe/Leonardo
    • Posted Março 12, 2009 at 3:34 pm
    • Permalink

    Robinson(pensa)-ÓÓÓ, já acabou?! Já sei vou pescar.
    Robinson(pensa)-Ora aqui vai uma cenoura, venham ter comigo peixinhos.
    -Nuca mais!!!
    -Uoh, está a puxar. eu sinto. HHRRR!HRR!! UAHHHAK

    Robinson-Vê lá se cais.
    Sexta-feira-Só estou a apanhar uns côcos para o almoço.
    Robinson-Mas segura-te bem, ok!
    Sexta Feira-Eu já estou habituado a fazer isto.
    Robinso- Sim, mas depois cais e é o que se vê.
    Sexta-Feira-mas olha mestre, até tenho bastante apoio…UUaahh!!!
    Sexta- feira-Oh, desculpa mestre.
    Robinson- De castigo vais arrumar todos os trapos.

    Sexta-feira-É sempre a mesma coisa, eu trbalho , e ele faz o que gosta.
    -Já estou farto disto, para a próxima, aleijo-o mesmo.
    Robinson- Trabalha…Anda lá!!
    Sexta-feira- É o que eu estou afazer.
    Robinson:Está bem…mas depois vais ordenhar as cabras para bebermos leite logoá noite.
    Sexta-feira- Eu não digo, ainda nem acabei de arrumar os trapos já tenho de ir ordenhar as cabras.
    Robinson- Respeito, vê lá se queres mais.
    Sexta-feira- Possa, outra vez, não!!!!!!!!!!

    • Daniela Moreira
    • Posted Março 13, 2009 at 9:07 pm
    • Permalink

    Professor eu não consigo ver o filme.

    • José Ferreira
    • Posted Março 13, 2009 at 11:37 pm
    • Permalink

    Clicaste no triângulo do “play” no centro do rectângulo e esperaste que o filme fosse carregado?

    • José Ferreira
    • Posted Março 14, 2009 at 12:47 am
    • Permalink

    Leonardo e João Filipe: Gostei do vosso texto, penso que está original e adequa-se bem ao filme.😉
    No entanto, procurem agora elaborar o diálogo de acordo com as regras do discurso directo. São capazes de rever isso?😉

    • João Filipe/Leonardo
    • Posted Março 18, 2009 at 3:45 pm
    • Permalink

    Robinson pensa:
    -ÓÓÓ, já acabou?! Já sei vou pescar.
    Robinson pondera mais uma vez:
    -Ora aqui vai uma cenoura, venham ter comigo peixinhos.
    -Nuca mais!!!- reclama ele impaciente.
    -Uoh, está a puxar. eu sinto. HHRRR!HRR!! UAHHHAK- pensa ele sentindo um grande puxão.

    Passado algum tempo, após a grande pescaria :
    -Vê lá se cais avisa Robinson a Sexta feira.
    E Sexta-feira continua convencido:
    -Só estou a apanhar uns cocos para o almoço.
    -Mas segura-te bem, ok!- repete Robinson, o aviso.
    – Ó eu já estou habituado a fazer isto, repete Sexta feira
    – Sim, mas depois cais e é o que se vê, -voltou Robinson a frisar o aviso
    E Sexta-Feira diz:
    -Mas olha mestre, até tenho bastante apoio…UUaahh!!!
    -Oh, desculpa mestre.- Desculpa-se Sexta feira.
    E seu mestre, Robinson, informa, em forma de ordem:
    – De castigo vais arrumar todos os trapos.
    Sexta feira protesta:
    -É sempre a mesma coisa, eu trabalho, e ele faz o que gosta.
    -Já estou farto disto, para a próxima, aleijo-o mesmo – continua Sexta feira
    Robinson ordena:
    -Trabalha…Anda lá!!
    – É o que eu estou a fazer – contesta o seu empregado
    Robinson avisa:
    -Está bem…mas depois vais ordenhar as cabras para bebermos leite logo à noite.
    – Eu não digo, ainda nem acabei de arrumar os trapos já tenho de ir ordenhar as cabras – Volta a protestar sexta-feira.
    – Respeito, vê lá se queres mais- avisa Robinson num tom de ameaça.
    Sexta-feira grita:
    – Possa, outra vez, não!!!!!!!!!!

    • Carla/Liliana
    • Posted Março 18, 2009 at 6:05 pm
    • Permalink

    Após uma bela refeição, Robinson, saturado por nada fazer, decide caminhar até à beira-mar.
    Com os utensílios que usa para comer, na cabeça, olha para o mar, pensando.
    Robinson (pensa)- Que chatice! É mesmo aborrecido estar nesta ilha! Não há nada para fazer… A não ser que… Já sei!
    Robinson recua, indo em direcção à sua pequena e confortável cabana. Num ápice, Robinson regressava para junto do mar.
    Na cesta que trazia, Robinson sacou de uma cenoura, utilizando-a como forma de isco. A sua ideia era pescar…
    Robinson (pensa)- C’um caraças! Este peixe é dos bravos! Deve haver uma maneira mais fácil de encontrar alimento… Vou mandar Sexta-Feira apanhar coco. E ele que não refile, pois eu sou o seu amo, e o seu dever é obedecer-me.
    Robinson (diz)- Oupa trombudo! É para hoje ou para amanhã?!
    Sexta-Feira (diz)- Já vou, já vou! Estou quase lá! Ai, ai, ai! Estou a escorregar, a escorregar… Haaaaaaaaaa!!!
    Pum! E Sexta-Feira deu uma grande queda sobre Robinson. Este, por sua vez, não achou lá muita piada àquela situação, e castigou-o severamente.
    Sexta-Feira (diz)- Que maçada! Eu aqui a trabalhar, esforçando-me, como digno escravo que sou, enquanto o meu amo, ali, descansadinho, a pescar á beira mar, levando com o vento vindo do Chile, transbordando de paz e sossego.
    Robinson (diz)- Estás aí a falar mal de mim, a pensar que não te estou a ouvir. Põem-te a pau, ó preto d’um raio!

    • Daniela Moreira
    • Posted Março 19, 2009 at 6:02 pm
    • Permalink

    Professor o filme não carrega. Eu já fiz o que o professor disse e não deu.

    • Ana Silva/Beatriz
    • Posted Março 19, 2009 at 9:02 pm
    • Permalink

    Numa tarde Robinson estava na sua bela ilha Speranza a pescar um peixinho para o jantar, enquanto Sexta-feira empoleirado na árvore apanhava côcos.
    Depois de apanhar o seu peixinho, Robinson foi ver o que Sexta-feira andava a fazer.
    Diz Robinson:
    -Então Sexta-feira o que estás a fazer aí em cima?
    Responde Sexta-feira:
    -Estou a apanhar alguns côcos.
    Robinson diz:
    -Não me digas que estás a pensar em fazer mais uma daquelas receitas enjoativas. Não quero apanhar outra indigestão!
    Responde-lhe Sexta-feira rindo:
    -Esteja descansado amo, agora não terá uma mas sim duas indigestões.
    E Robinson gritando:
    -Sexta-feira…
    Sexta-feira assustado com o grito de Robinson cai do coqueiro mesmo em cima dele.
    Sexta-feira muito atrapalhado diz:
    -Desculpe amo estava a brincar e não tinha intenção de cair em cima de si.
    Diz Robinson chatiado:
    -De castigo vais lavar as minhas ceroulas!
    Passado uns minutos.
    Robinson:
    -Vê lá se isso fica bem lavado, senão voltas a lavar isso de novo.
    Responde Sexta-feira:
    -Isto vai ficar um brinquinho.
    Entre os pensamentos de Sexta-feira:
    – Pois sobra sempre para mim.

    • Patrícia e Sara
    • Posted Março 20, 2009 at 11:26 pm
    • Permalink

    Certo dia está Robinson sentado enfrente á sua cabana a comer o seu almoço.
    E depois de o terminar vagueou ao redor da cabana muito pensativo.
    – O que hei-de fazer agora? – pensou ele
    Atravessou o pontão, olhou para um lado e para outro e, de repente, como se uma ideia luminosa lhe tivesse surgido, dirigiu-se rapidamente para o interior da cabana, voltando minutos depois com um cesto cheio de cenouras e uma cana.
    – Vou pescar uns belos peixinhos! – exclamou ele muito entusiasmado.
    Porém, depois de ter lançado a primeira cenoura à água, as coisas começaram a não correr tão bem como tinha imaginado…
    – Não vejo peixe nenhum… – disse olhando para um lado e para o outro.
    – Calma! Algo, picou a cenoura!
    – É um peixe! E dos grandes!
    – Ah! Puxa Robinson! Já ganhaste o jantar – disse para consigo.
    Mas o peixe devia ser muito grande e forte e atirou com Robinson para dentro da água !
    Lá se foi o peixe e o jantar…
    – Vá lá despacha-te Sexta-feira! – ordenou Robinson.
    – Não tenho o dia todo e estou cheio de sede! – exclamou
    – Sim, meu amo! Já cheguei ao cimo do coqueiro.
    Quantos cocos quer?
    – Bem, podes apanhar só um, os restantes ficam aí para os outros dias – respondeu.
    – Além disso, só consegues mesmo trazer um, pois precisas da outra mão para desceres daí!
    – Posso descer só com os pés! – retorquiu Sexta-feira.
    – Também quero um coco para mim!
    – Acho melhor trazeres só um, senão ainda podes cair!
    – Não, meu amo, eu não caio! Já estou habituado a trepar ás árvores desde pequeno!
    Mas de repente, distraído com a conversa, catrapus! Caiu da árvore, mesmo em cima de Robinson e os cocos ficaram todos na árvore!
    – Eu não te avisei que podias cair! – disse Robinson muito desconsolado.

    • Daniela/Fátima
    • Posted Março 21, 2009 at 4:12 pm
    • Permalink

    Certo dia Robinson lanchava descansadamente.
    Terminando o seu lanche, penssou no que iria fazer em seguida.
    – Hummm! Que hei-de fazer agora?
    – Já sei! Vou pescar.
    Robinson dirigiu-se para a cabana porque se tinha lembrado que continha uma cesta com cenouras que poderiam servir de isco.
    Então foi para o sitío onde habitualmente pescava e atirou a cana para a água.
    De repente sentiu algo a puxar.
    – Deve ser muito grande o raio do peixe!
    Acabando de dizer estas palavras, foi puxado para dentro de água.
    Em seguida foi ver o que sexta-feira andava a fazer.
    – Sexta-feira, que estás a fazer aí em cima da árvore?
    – Estou a apanhar côcos meu amo.
    – Desce já daí!
    – So vou apanhar mais um côco.
    – Rápido!
    – Estou a caminho!
    Sexta-feira abre os braços esquecendo-se de que estava agarrado a uma árvore.
    – Ahhhhhh … estou a escorregar.
    PUM
    Sexta-feira cai em cima de Robinson.
    – Sai já de cima de mim seu preto.
    – Desculpe meu amo!
    – Por teres caido em cima de mim, vou obrigar-te a lavar os meus trapos velhos.
    – Pois sexta-feira é que faz tudo.
    – Claro que sim! És o meu escravo salvei-te, por isso fazes o que eu mando.
    – Lava já isso!
    Robinson sentou-se de novo a pescar, enquanto o pobre do sexta-feira lavava-lhe os trapos.
    – Sexta-feira é quem trabalha, é quem faz tudo, e ele ali a pescar no bem bom.
    – Menos fala, e mais trabalho seu preto.
    – E o preto sou eu?
    – És! Trabalha.

    • Helena/Marta C.
    • Posted Março 23, 2009 at 5:03 pm
    • Permalink

    Robinson comia as suas papas de aveia, como de costume, à entrada da sua fortaleza.
    “Papinhas de aveia!”, pensa Robinson, “Aquele sexta feira pode ser burro mas cozinha bem … Ai que bom!”
    Robinson lembra-se de se enfeitar com as louças.
    “Fico tão lindo assim…! Pareço aquele general sexy do teatro que vi”
    Robinson procura Sexta-Feira.
    “Onde anda aquele preto do caraças?!”
    Robinson vai até ao porto de pesca. Olha o horizonte procurando o seu escravo, mas sem sucesso.
    “Bah”, resmunga, na sua mente, Robinson, “Vamos lá buscar cenouras para pescar!”
    Robinson vai buscar as cenouras e depois senta-se no porto de pesca a pescar com as cenouras.
    “Olha a cenourinha!!! É laranja e fresquinha!!”, anuncia Robinson, “Raios partam o peixe”.
    De repente, Robinson sente um puxão forte.
    “É pá deve ser uma baleia que ai vem!”
    – Chiça! Ai – berra Robinson, caindo de seguida. – C’um caraças caí!
    (…)
    Robinson encontra Sexta-Feira empoleirado numa árvore.
    – Oh Sexta-Feira que fazes aí, seu estúpido? – pergunta Robinson zangado ao índio.
    – Oh boss tô a apanhar cocos para o jantar!
    – Não te armes… Não comes mais por andares por aí feito macaco a apanhar cocos…
    – ‘Tá bem, eu sei que sou macaco! Olhe para os meus pés! – responde Sexta-Feira apontando para os pés.
    “Mandão do caraças!”, resmunga Sexta-Feira para os seus botões.
    – Se cais, vais lavar os meus boxers que já cheiram mal de um mês de uso, pá!
    – Caio o quê? Não vê que eu me agarro bem?! Até me chega uma mão só! – mostra Sexta-Feira – Até sem mãos! Ai cruzes credo!
    Sexta-Feira cai em cima de Robinson.
    – Ai desculpe “‘nhozinho” ainda preciso de praticar a parte da levitação! – desculpa-se Sexta-Feira
    – Mais uma dessas e corto-te os pés! Aí é que vais ter de aprender a levitar! – ameaça Robinson.
    (…)
    Sexta-Feira lava os boxers de Robinson, enquanto este pesca peixes com cenouras, assobiando feliz da vida.
    – Olha-me para este… eu aqui a lavar boxers d’um raio e ele a pescar coelhos! – rezinga Sexta-Feira indignado. – Que cheirete, ele deve-se largar 100 vezes ao dia!
    Robinson continua a assobiar feliz da vida, como quem não quer a coisa.
    – Mais um! Ele bem que podia andar nu! Sempre tinha de lavar menos – continua o escravo pegando noutros boxers – Ups! Rasgou-se boss!
    – Seu estúpido! Eram os meus boxers favoritos! Tenho-os desde que me casei. – repreende Robinson.
    – Que quer que lhe faça? Cheiram mal como tudo!
    – Paciência! Tapa o nariz e aguenta! Olha que ainda te ponho a lavar o meu soutien rosa-choque! – ameaça Robinson.
    – Rosa-choque? Estes são brancos e já me dão trabalho! Ainda quer mariquices?!
    – Sexta-Feira, preciso de te confessar uma coisa… – anuncia Robinson
    “Ai meu Deus”, pensa Sexta-Feira assustado.
    – Não me diga que é mais para lá do que para cá!!!! – exclama Sexta-Feira assustado.
    Robinson cala-se.

    FIM!!

    Por,

    Helena Couto e Marta Moreno.

    • Beatriz Ferreira
    • Posted Abril 1, 2009 at 7:18 pm
    • Permalink

    Professor, quando vai por o próximo post?

    • José Ferreira
    • Posted Abril 1, 2009 at 7:53 pm
    • Permalink

    Hoje ainda!😉

    • Rafaela / Nádia
    • Posted Abril 6, 2009 at 2:13 pm
    • Permalink

    Numa bela tarde, Robinson encontrava-se sentado, a beira de uma cabana na praia, a comer a sua refeição. Terminando, não sabia o que iria fazer.
    Ate que se lembrou de ir pescar. Entrou na sua cabana para ir buscar a sua cana de pesca e cenouras, que lhe serviram de iscos. Sentado esperava que o peixe morde-se a cenoura. Quando se apercebeu que um peixe mordera o isco, tentava puxa-lo mas aconteceu totalmente o contrário, sendo Robinson, puxado para dentro do mar.
    Robinson foi ter com Sexta-Feira para ver se ele estava a trabalhar como lhe mandara.
    -Então Sexta-Feira já apanhas-te os cocos?
    -Ainda não meu Amo, os cocos ainda não estão maduros!
    -O quê? Devias de ter apanhado pelo menos um Sexta-Feira!
    -Eu vou conseguir meu Amo! Ate só com uma perna!
    -Não faças isso e trabalha em vez de estares ai a brincar.
    -Não se preocupe meu Amo já estou habituado
    Mal acaba de pronunciar estas palavras Sexta-Feira caiu mesmo por cima de Robinson.
    -Desculpe meu Amo, desculpe! Escorreguei!
    -Não quero ouvir desculpas Sexta-Feira…
    -Eu avisei-te! Agora de castigo por não me teres dado ouvidos vais lavar os meus trapos! – disse Robinson para Sexta-Feira muito chateado.
    E foi assim. Sexta-Feira lavava os trapos do Amo, enquanto este assobiava e pescava.
    Sexta-Feira pensava para si muito zangado: – Lá por ser preto tenho que trabalhar enquanto ele fica ali a assobiar!
    Sexta-Feira não aguentando mais disse a Robinson:
    -Isto é injusto, eu aqui a trabalhar e o senhor ai divertindo-se a pescar!
    -O quê?
    -É verdade senhor.
    -Ouve lá! Eu sou o governante desta ilha. Eu é que mando aqui, faço o que me apetecer e o que bem entender e tu só tens que obedecer as minhas ordens! Aliás eu já trabalhei muito! – responde-lhe Robinson muito orgulhoso de si.
    -Já que já trabalhou muito e deve saber fazer muitas coisas porque que não lava você os seus trapos? – responde Sexta-Feira muito furioso.
    -Se fizeres o que te mando não levarás mais nenhum castigo, se continuares a reclamar ai vais ter um castigo a dobrar!
    -Pois é, sobra sempre para mim, isto é descriminação por eu ser preto

    • Rafaela / Nádia
    • Posted Abril 6, 2009 at 2:15 pm
    • Permalink

    * !

    • francisco e jorge
    • Posted Abril 23, 2009 at 9:42 pm
    • Permalink

    vamos colocar aqui a continuação do livro se o professor não se importar.

    • francisco e jorge
    • Posted Abril 23, 2009 at 9:55 pm
    • Permalink

    Nos primeiros dias, Domingo andava eufórico. Sentia-se livre e tudo lhe parecia bem.
    Passados alguns meses começou a sentir saudades do convívio com outras pessoas e da sua família que costumava visitar de seis em seis meses, quando era grumete. Disse a Robinson que queria regressar aos tempos de servir à mesa no barco. Reconhecendo que não ia ser fácil convencer Domingo a permanecer na ilha por muito mais tempo, Robinson lembrou-se imediatamente do Evasão e colocou a hipótese de construirem um novo barco que poderia ajudar o seu novo companheiro a deslocar-se para um território mais civilizado.
    O antigo grumete tinha roubado alguns mapas da zona ao capitão do navio. Com a ajuda de um dos mapas Robinson descobriu uma ilha colonizada pelos ingleses num arquipélago relativamente próximo.
    Começaram a construir o denominado Evasão 2 num local que facilitasse a sua deslocação para o mar. Demoraram vários meses a termina-lo, pois todos os materiais eram extraidos da floresta.
    Lançaram-se ao mar e passados sete dias chegaram à referida ilha. Era maior e lá vivia muita gente.
    Domingo adaptou-se rapidamente àquela vida e decidiu ficar lá a viver. Robinson ficaria na ilha durante seis meses e depois regressaria a Speranza pois era lá que se sentia em casa.
    Na semana em que Robinson se preparava para partir, atracou um enorme barco no porto. Era o Whitebird. Robinson lembrou-se logo de Sexta-feira. Nunca mais teve notícias dele. Faria parte da tripulação do navio? Não descansou enquanto não tirou esta dúvida.
    Infiltrou-se no navio sem ninguém se aperceber e encontrou o índio a dormir no convés. Estava mais magro e com aspecto pouco saudável. Ficou chocado por ver o antigo amigo em tão mau estado. Parecia que tinha sido torturado. Robinson tocou-lhe nas costas e ele acordou. Parecia assustado! Reconheceu Robinson e pediu-lhe que o tirasse dali pois tinha sido transformado num escravo do capitão. Sexta-feira contou-lhe que tinha sido mal tratado e só executava trbalhos sujos e pesados. Ambos fugiram rapidamente do navio.
    Sexta-feira confessou a Robinson que tinha muitas saudades dos tempos que passaram juntos em Speranza. Robinson ficou muito contente pois percebeu que ia ter companhia.
    No dia seguinte despediram-se de Domingo, abasteceram o barco e partiram rumo a Speranza
    onde continuaram a sua vida feliz e calma.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: